sábado, 25 de outubro de 2008

SOBRE TEXTOS FALSOS


Ridícula. Simplesmente ridícula essa onda de mensagem visual-musical de power point que circula na internet, como enxurrada, de e-mail para e-mail. Não que eu seja contra um amigo enviar uma mensagem para outro. Por favor, continuem me mandando se for boa a intenção...
A minha reclamação é outra. Do autor das mensagens. Da forma inescrupulosa como textos de péssima qualidade usam o nome de autores famosos. O intuito é promover o texto de um anônimo? No início acho que é. Mas depois passa a ser burrice de quem recebe e repassa, sem retirar o nome do autor. Sheakspeare, Drummond, Chaplin, Clarice, entre outros, devem estar estrebuchando nos seus túmulos com essa ingratidão que a internet faz com eles. Queria muito que eles fossem defuntos autores, e escrevessem suas impressões sobre isso. Iam trucidar os infelizes que querem promover textos às custas da fama dos outros.
Alguns textos são até bonitos, mas injustos por não expressarem o seu autor. Digo: a linguagem, as palavras, as gírias e o assunto, por vezes nada têm a ver com o estilo do autor famoso que teve de ser cavalo-de-santo e receber a autoridade pelo que nunca escreveu.
Aviso aos autores desses PPT: Sejam honestos. Apareçam com seus nomes. Aviso aos que repassam: Sejam honestos, pesquisem textos do possível autor e verão qual é o texto falso. Antes de passar uma mensagem, apaguem o falso autor.
Se não fizerem isso, eu desejo que vocês apodreçam no inferno da ignorância. Vocês estão fazendo um deserviço a quem ensina literatura honestamente nesse país.

Um comentário:

Maria disse...

Um trago de fel como resposta, essa foi boa! Agora ficaram elas por elas, lei de talião, gostei...nao, a-do-rei!