sexta-feira, 15 de maio de 2009

QUE EU SEJA...


Que eu seja ponte. Uma ponte feita do material mais firme para suportar o peso da vida. Uma ponte serena a serviço da unidade. Uma ponte ligando caminhos e desfazendo abismos. Uma ponte que, na sua missão de ser caminho sobre a água, age silenciosamente, ensinando o valor do silêncio. Uma ponte que avisa ao caminheiro que as águas sob si também merecem respeito.
Que eu seja água. Água transparente a ensinar o valor da integridade. Água mansa e calma, sem pressa, percorrendo o curso, sem ânsia de chegar ao oceano. Água revolta também, para mostrar aos barcos que em mim navegam o preço da conquista. Água benfazeja, alimentando de esperança outras vidas. Água generosa, a refletir duplamente céu e terra, mostrando que meu corpo é a morada de outros mundos.
Que eu seja um barco. Um barco humilde, porém firme, com vela sempre hasteada para receber os ventos imprevisíveis. Um barco que se deixa singrar na calmaria, sabendo esperar; e que não se abala nas tormentas.

Que eu seja, enfim!

4 comentários:

Andreia disse...

Que lindo! Profundo e reflexivo. Ser ponte, água e barco...
É ter o poder da travessia para um destino incerto, ter o domínio da mansidão e da fúria e dar direção as tormentas da vida...
Bjsss mil!

Janaina Amado disse...

Nossa, Cláudio, que texto mais bonito! Ótimo retornar aqui (voltei aos blogs) num dia de texto tão bonito, tão límpido. Abração.

Aparecida disse...

Que belo texto! Uma lição, nos faz refletir sobre
o que estamos fazendo em prol do outro.
Parabéns! E obrigada por nos presentear com textos cada vez mais profundos.
Beijos! Aparecida.

Barbara disse...

Pessoa do bem , e de um jeito profundo.
Digamos, você pode ser tudo e no momento está sendo um barco todo bonitinho, navegando em águas amigas e, passando sob uma ponte de transição.
Tudo aqui no seu texto demonstra transição.
Água que é a adaptabilidade, barco que é movimento e a própria ponte.
Algo novo vai germinar em ti.
Abraços.