sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Ladainha negra


Pai de todos os povos...
do índio, do branco,
do negro e do amarelo...
ouve o clamor multicor
escuta as preces afônicas
recebe breves gemidos.

Zumbi, rei dos Palmares, grita por nós!
Negro Cosme, da Balaiada, grita por nós!
Negra Anastácia, guerreira, grita por nós!
Ganga Zumba poderoso, grita por nós!
Mãe Menininha do Gantois, grita por nós!

Todos os erês nos céus, gritem por nós!
Todos os voduns na terra, gritem por nós!
Todos os orixás no mar, gritem por nós!
Encantados, caboclos, fidalgos, gritem por nós!

Na noite negra ressoem
os batuques ancestrais.
Cometas crivem o espaço
recebendo nossos ais.

Amém, axé, aleluia!

(minha homenagem ao dia da Consciência Negra.
O mosaico de ilustração é obra Yemanjá, do artista baiano
Liu Gomes, www.liugomes.com.br)

5 comentários:

Renata Luciana disse...

Nasce nas profundezas...
Dança das águas, movimenta o amor
Aprecia os aromas,
enfeita-se de flores
Dorme com o sol, acorda para a Lua.

o-mar/a-mar/iêee/man/já

transportei esse post, escrito esse ano quando estive perto do mar, nessas terras por onde o sincretismo se espalha, e o negro 'derrama' sua cor.
Especial a tua sensibilidade.

Anônimo disse...

Lindo poema, Claudio.

Deveria estar lá na exposição da conciência negra que teve esta semana na faculdade.

Muito lindo!!!!

Rosana disse...

Esqueci de colocar meu nome no comentário acima,hehehe
bjos

Ana Tapadas disse...

Lindíssima homenagem! Só é pena que ainda precisemos dessas homenagens...

Há um desafio para ti no meu blogue.
Beijinho

Renata Luciana disse...

Claudio, veja depois esse sensível blog, carregado de imagens sutis de uma amiga virtual http://www.liricadocastelo.blogspot.com/